O seu a seu dono

Há dias circulou pelas chamadas redes sociais um libelo acusatório contra o Charlie Hebdo. Calculo que por aqui e por ali se rasgassem as faixas de apoio ainda frescas e se apelasse à organização de contra-manifestações de repúdio pelo comportamento da publicação e dos seus membros. O motivo invocado foi a divulgação, nas suas páginas, de um cartoon sobre os sucessivos naufrágios e correspondentes afogamentos, acontecidos no Mediterrâneo. O desenho em causa é este.

ali quatro

As críticas são unânimes, ao considerarem vergonhosa a publicação de semelhante cartoon, onde são ridicularizados os migrantes africanos que morrem na sua desesperada ânsia de encontrar refúgio e futuro na Europa. Denominar esta tragédia como uma reunião ou reagrupamento de família no Mediterrâneo atropela todas as normas da decência e da dignidade humanas. Porém, considerar esta infâmia como inserida no Charlie Hebdo não é um menor atropelo à verdade.

O cartoon existe, é da autoria de um desenhador recentemente admitido pelo Charlie Hebdo, mas foi publicado pelo jornal Liberte, da Argélia, e nunca no semanário francês.

Mais, a frase lida liminarmente até pode parecer o que não é. De todo. Reagrupamento familiar é a designação oficial de uma política de imigração francesa ali aplicada aos residentes no exterior da União Europeia. As exigências são grandes pelo que se tem considerado esta política como um sério contributo para as mortes no Mediterrâneo, pelo esforço desesperado feito por famílias ansiosas pelo reencontro, fugindo de qualquer maneira de mortíferas guerras.

O Charlie Hebdo, quanto a este facto, já criticou as leis do Reagrupamento familiar e até lhes dedicou uma recente capa. Um Titanic por semana, eis a versão satírica do desenhador Luz, metáfora alusiva ao paquete que em Abril de 1912 matou 1.500 passageiros após colisão com um iceberg. O sentido do cartoon é muito claro: o aviso de que, sem inversão de políticas, em cada semana muitos inocentes morrerão, numa equivalência àquele que foi o mais chocante e célebre dos desastres marítimos. A mulher ali representada é Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, de extrema direita, defensora de uma forte campanha de dissuasão através de navios que remetam os imigrantes (ou refugiados) de volta. Por isso ouve um imperativo: Cala essa boca!

ali cinco

Fariam bem melhor os injustos e raivosos críticos que querem agora lapidar o Charlie Hebdo em virar a sua agressividade contra os (ir)responsáveis da União Europeia porque nada fazem para impedir a catástrofe humana que se abateu sobre a Líbia e a Síria, para citar apenas estes países, e porque restringem as operações de salvamento e a posterior protecção dos refugiados sobreviventes, após enfrentarem os perigos do mar. Não será, afinal, uma certa forma de encoberto racismo que está a matar os mártires do Mediterrâneo?

O autor do cartoon que desencadeou esta desajustada campanha é o argelino Ali Dilem, talentoso desenhador que junta a esta capacidade um agudo sentido crítico. Os seus cartoons são interventivos e oportunos. Creio que fará carreira no Charlie Hebdo, até pelo seu inconfundível estilo, de eficaz simplicidade. Aqui ficam, como exemplo, algumas das suas mais recentes obras.

ali um

Para concluir este reparo, que entendi necessário para repor a verdade sobre tão odioso equívoco, junto-lhe uma breve antologia de cartoons de diversa origem sobre o drama dos refugiados no Mediterrâneo, uma forma séria e acutilante de provocar a opinião pública, impelindo-a a agir numa urgente pressão sobre os que têm a obrigação e o poder de alterar o sentido da presente tragédia humana.

ali dois

 António Martinó de Azevedo Coutinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s