HISTÓRIAS ALENTEJANAS – vinte e três

histórias alentejanas

Há vinte anos, lapso de tempo que parece quase a eternidade, ainda o Inatel dispunha de uma excelente revista entretanto desaparecida. Dedicada à cultura e ao turismo, entre outros temas, fazia e propunha umas incursões pelo país e pelo estrangeiro, um pouco à semelhança das viagens que organizava.

Em Outubro de 1995, no seu número 55, foi a Portalegre, Lugar Tranquilo23 - 0

Pela câmara, excelente, de Carlos Gil, e pelo texto do mesmo, não tanto, ficámos a saber algo sobre a capital do Alto Alentejo que, por mero acaso, era e é Évora. Portalegre é a capital do Norte Alentejano, uma espécie de sub-região algo diferente do restante território alentejano. Também o Parque Natural não se denomina de S. Mamede mas da Serra de S. Mamede, o que não é exactamente a mesma coisa…

O articulista queixa-se de não haver ao tempo material de consulta, turística, e tem razão. Mas perde-a quando propõe, em troca, o que oferece. Chamar à Manufactura de Tapeçarias de Portalegre Fábrica de Tapetes e colocá-la equivocamente no Palácio Póvoas e não na Fábrica Real (onde estava por essa altura) não é um bom serviço… Também não existe um Museu José Régio mas uma Casa Museu, o que também não é o mesmo. A Rua 19 (!?) parece remeter-nos para Espinho ou Nova Iorque… Enfim, aquele mapa alternativo também não servia, apesar da evidente boa vontade.

Alegrete também não é uma aldeia, mas uma vila. E já foi importante…

Curiosa é a nota de destaque concedida à extraordinária colecção antoniana que Heculano Curvelo doou à cidade e que o Museu Municipal então ainda mostrava aos seus visitantes, tendo-a agora ocultado… Era aquele um bom pretexto para ir de passeio a Portalegre, disse o articulista. Ironias do destino.

Outra ironia está patente na relação de sítios onde então comer. Compare-se com a actualidade e talvez por aí possam ser anotadas algumas diferenças. Para pior, hoje…

Enfim, aqui fica Portugal de Lés a Lés, em Tempo Livre de há vinte anos: Portalegre Lugar Tranquilo

Mais uma história alentejana.

23 - 01 23 - 02 23 - 03 23 - 04 23 - 05 23 - 06 23 - 07 23 - 08 23 - 09 23 - 10 23 - 11 23 - 12

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s