Poemas de Anthero Monteiro – três

POESIA AM

                                                             

                                                      OBSESSÃO

 

sem ti                  nunca a manhã amanheceu
sem ti                  a tarde tarda a entardecer   
sem ti                  a noite é mais anoitecer
sem ti                  o que em mim vejo não sou eu

sem ti                  o dia adia o que era  meu
sem ti                  não tem sentido o que fizer
sem ti                  até o riso faz doer
sem ti                  senti que a vida emurcheceu                  

sem ti                  fiquei sem tino e sem destino
sem ti                  e sem timão tudo perdi
sem ti                  sem tibieza me abomino

sem ti                  sou todo insónia e frenesi   
sem ti                  a cada hora me arruíno
sem ti                  sem ti sem ti sem ti sem ti

Anthero Monteiro,
Desesperânsia, Corpos Editora, Porto

1 thought on “Poemas de Anthero Monteiro – três

  1. Fantástico! Não encontro melhor termo para classificar este poema de Anthero Monteiro. Até apetece soletrá-lo devagar, duas e mais vezes, para o reter na memória… em honra de alguém que já se amou ou se ama profundamente.
    Parabéns a Anthero Monteiro, cujos poemas nos deixam sempre na expectativa do que vem a seguir… porque sabemos que nos fascinará ainda mais!
    JM

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s