1917 – há 100 anos – treze

1917 (Março) – Os anos da Guerra, em França. Bilhetes de José Cândido Martinó para a filha Benvinda e respostas desta:

1 de Março – “França. Ontem fui às compras com o nosso impedido pois até ao dia 10 sou o director do rancho dos oficiais que estão juntamente comigo. Hás-de dizer à S.a D. Ema que o Sr. Alferes Pereira perdeu o pau e a lança da bandeira do Regimento” [Obviamente, as tropas continuam ainda na zona de concentração, em Aire-sur-la-Lys e proximidades].

2 de Março – “França. Fui ontem vacinar-me contra a varíola e febre tifóide. É obrigatória a vacinação“.

3 de Março – (com a fotografia de J. C. fardado) “França. Só ontem, já bastante tarde, é que me mandaram as fotografias. Eu mando-te hoje uma, que me parece não terem ficado más. O frio voltou outra vez“.

4 de Março – “França. O frio tornou a voltar, mas não tanto como no princípio. Hoje tenho tido muito que fazer, além das compras que tive de ir fazer para a nossa comida“.

6 de Março – “França. Ontem não pude escrever pois já retirámos do tal palácio. Ontem caiu um grande nevão: estava tudo coberto de neve. Diz ao Avozinho que me mande os jornais de Portalegre. Ontem recebi um e dois ou três Séculos“.

7 de Março -“França. Continuo passando bem, apesar de ligeiramente incomodado com a vacina. A terra onde agora estamos é muito feia. [O R.I. 22, com o R.I. 21 e o R.I. 34, deve ter-se deslocado de Aire, provavelmente para mais próximo do futuro Q. G. da 1.ª Divisão, a instalar em Thérouanne ?] O frio voltou. No quarto onde durmo, ponho um lençol impermeável sobre a cama e pela manhã aparece cheio de cacimba e poças de água. (…) O modelo de edifícios escolares é muito semelhante aos de Portugal. (…) Um frango custou 8 francos e a carne de porco fresca custa cada quilo 5 francos. Enfim, haja saúde porque dinheiro não falta. O Joaquim continua a ser meu impedido“.

8 de Março – “França. Recebi hoje dois postais com as datas de 27 e 28 do mês passado e dois Séculos. (…) No meu actual quarto, esplendidamente mobilado, entra a claridade por meio duma telha de vidro, que também serve para renovar o ar, pois é móvel“.

8 de Março – “França. Recebi ontem carta do Dr. Sampaio e um bilhete do Sr. Garção. Durante a noite de ontem caiu um grande nevão, que continua ainda à hora em que te estou escrevendo. No alojamento onde, com outros soldados, dorme o meu impedido, ao acordarem pela manhã têm de pentear o cabelo por estar empastado de gelo, e também despejar os bonets que ficam voltados para cima pois estão cheios de neve gelada“.

9 de Março – “França. Ontem fui novamente vacinado. (…) Agora estou muito mal instalado. A gente da casa é muito pobre. A mulher tem o marido na guerra. (…) Já por mais duma vez lhes tenho enviado alguma comida que sobra das nossas refeições. Se aí abrirem alguma subscrição a favor dos capelães que partirão para aqui diz ao Avozinho que quero que tu contribuas com 2.500 Reis. Na lista ou relação deverá figurar o teu nome todo. Da mesma forma deverás contribuir para qualquer subscrição a favor dos mobilizados ou suas famílias“.

10 de Março – “França. Ontem recebi alguns Séculos. Alguns dias atrás também recebi três Séculos e a Plebe para eu ler a despedida do Alferes Correia. (…) Parece-me que há esperança de voltar para o Chateau onde já estive. A correspondência expedida para mim é isenta de franquia. A nova direcção é: E. P. C. 8 – C. E. P.”.

4 de Março – Portalegre: “Continuo a pedir a N. Senhora a saúde do meu bom Papá. O Avozinho manda sempre os jornais e espera resposta às suas cartas“.

12 de Março – “França. Ontem fui, com a Banda, tomar parte numa festa que fizeram num dos nossos Batalhões à nossa Bandeira. A casa do ensaio fica muito próxima das duas escolas de maneira que nos intervalos das aulas a petizada dos dois sexos enche-me a casa do ensaio“.

13 de Março – “França. Vamos mudar outra vez de localidade, para melhor. (…) Fui reconduzido como director da messe. Como o meu actual quarto é tudo quanto há de mais detestável, passo o dia e parte da noite no Estaminet onde instalámos a nossa Mess, de maneira que a dona da casa onde vou dormir disse ao Joaquim – que já fala muito bem o francês -: o seu patrão é muito bom oficial mas mais chefe de família porque passa o tempo todo no Estaminet! Hoje temos revista, comparecendo todos com capacete de aço“.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s