Amnistia Internacional em Peniche

Homossexuais torturados e mortos na Tchetchénia

Vários homens estão a ser raptados, torturados e até mesmo mortos na Tchetchénia por serem identificados como homossexuais. Ajude-nos a que seja feita justiça!
Não se pode deter ou reprimir pessoas que não existem na República”. É assim que Alvi Karimov, porta-voz do líder tchetcheno Ramzan Kadirov, se pronuncia sobre a detenção, tortura e assassinatos de homens homossexuais ou identificados como tal.
No início de Abril deste ano o jornal independente russo Novaia Gazeta e a ONG Russian LGBTI confirmaram esta situação.
A resposta das autoridades tchetchenas tem oscilado entre considerar que o caso se trata de uma brincadeira, negar tudo ou até mesmo tecer ameaças.
Em pleno século XXI não podemos deixar que as pessoas sejam agredidas e mortas pela sua orientação sexual e que os perpetradores fiquem impunes.   Ajude-nos a pedir a que seja feita justiça apelando ao Presidente da Comissão de Investigação russa, Aleksandr Ivanovich Bastrikin e ao Director Interino da mesma instituição, Serguei Sokolov, para que estes crimes sejam investigados e as pessoas em risco protegidas.

Vamos distribuir e recolher esta semana em Peniche a petição sobre os homens raptados e assassinados na Tchetchénia por serem identificados como homossexuais. Quanto mais assinaturas, maior será a nossa força. Esperamos da comunidade penichense a habitual e cúmplice cooperação na defesa comum dos direitos humanos.
Este é o teor, em português, da petição.

Ex.mo Senhor Presidente da Comissão de Investigação,

Escrevo-lhe para expressar a minha preocupação com os relatos de raptos, tortura e até mesmo assassinatos de homens identificados como homossexuais na Tchechénia.
Insto-o a levar a cabo uma investigação rápida, eficaz e aprofundada aos raptos e mortes destes homens na Tchechénia, garantindo assim que qualquer pessoa culpada ou cúmplice destes crimes será levada a responder perante a justiça de acordo com as leis da Federação Russa. Apelo também a que sejam tomadas todas as medidas de forma a garantir a segurança de qualquer pessoa que possa estar em risco na Tchechénia devido à sua orientação sexual. Peço também que quaisquer observações discriminatórias proferidas por representantes do Estado sejam fortemente condenadas.
Relembro-o a si e às autoridades russas e chechenas que, de acordo com os padrões internacionais de direitos humanos, têm a obrigação de investigar e julgar crimes de ódio, que configuram a forma mais injusta de discriminação.

Atenciosamente

(assinatura)