Nos 75 anos do regresso de um herói – 16 (fim)

Concluí a longa série de artigos dedicados ao grato e dilatado período da justíssima reabilitação cívica de João de Azevedo Coutinho. Aproveitei para isso uma efeméride, a dos 75 anos decorridos sobre esse conjunto de acontecimentos.

Naturalmente, como sempre tenho feito desde 2002, procuro que evocações deste tipo tenham uma diversa e mais ampla ressonância, muito para além das minhas limitadas e modestas possibilidades. E isso, na generalidade, tem acontecido. O último exemplo ficou patente nas dignas comemorações dos 150 anos do nascimento do herói, em 3 de Fevereiro de 2015, na Sociedade de Geografia de Lisboa, a que se associou a Armada Portuguesa.

Ao pedido de audiência devidamente motivado, subscrito por quatro familiares de João de Azevedo Coutinho e dirigido ao Ex.mo Senhor Chefe do Estado-Maior da Armada em 16 de Janeiro deste ano, correspondeu o mais absoluto silêncio. Enquadrando o facto em diversas outras similares diligências, é a primeira vez que esta ostensiva indiferença se verifica. Pela minha parte foi também a última, calando, para já, a interpretação pessoal que faço do comportamento da suprema autoridade da Armada.

Lamento ainda a indiferença que, com raras e honrosas excepções, sinto da parte dos parentes, familiares com quem partilho a herança do prestigiado nome de João de Azevedo Coutinho. Algumas sugestões com que tenho procurado empenhar a sua indispensável cumplicidade esbarram sistematicamente no mais vulgar alheamento.

Para já, neste particular, perderam-se agora sem remédio algumas oportunidades da parte da Marinha, da Sociedade de Geografia, do Turf Club de Lisboa e da Câmara Municipal do Porto. Relendo os recortes de imprensa patentes nos dossiers dos Fundos Pessoais de João de Azevedo Coutinho à guarda da Torre do Tombo agora reproduzidos, assim como a documentação que recolhi -e partilhei- de outras fontes, facilmente se compreenderá o que afirmo.

Daqui a vinte e cinco anos cumprir-se-á um preciso centenário sobre o acontecido. Ainda haverá entre nós memória e sensibilidade? Não especularei sobre tempos que já não serão meus.

Naquilo a que a consciência pessoal me impele continuarei, mesmo isolado e solitário. A próxima etapa está marcada no calendário dos afectos e acontecerá a 6 de Agosto de 2017, daqui a uns dois meses e meio. Nessa data passarão 125 anos sobre o casamento, em Portalegre, de João de Azevedo Coutinho com Maria Inês Barahona de Castelo Branco.

Portalegre tem para com a memória de João de Azevedo Coutinho uma prolongada e injustíssima dívida, traduzida na falta de reposição do seu nome na toponímia local. No material agora reproduzido encontram-se, aliás, sucessivas vozes de protesto contra esse facto.

Já tentei, em 2002, que tão flagrante injustiça comunitária fosse reparada, tendo então esbarrado numa inqualificável quebra de carácter que inviabilizou a pretensão. Já aqui em tempos expliquei, longa e documentalmente, tal incidente. Não o repito, por doloroso…

Portalegre disporá, um dia, de uma vontade colectiva informada, inteligente e corajosa que saldará a sua dívida de honra para com João de Azevedo Coutinho.

Por mim, jamais desistirei de sustentar esta pretensão.

António Martinó de Azevedo Coutinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s