VAMOS DESAPARECER TODOS DO MAPA ou APOCALYPSE NOW

VAMOS DESAPARECER TODOS DO MAPA
ou APOCALYPSE NOW (parte II)

Confesso que nem por estar avisado e precavido neste tétrico assunto me preparara psicologicamente para tão depressa voltar ao assunto. Penitencio-me por isso mas declaro a minha total inocência.

Até posso passar por bruxo, como o tal “general” guineense, dilecto conselheiro e protector desportivo, mas nada disso, repudio veementemente tal insinuação.

Deixei aqui há dias a sugestão de que alguém viria profeticamente anunciar uma meteórica colisão com o nosso planeta e não é que aconteceu mesmo tal previsão!?

Por mim até sei disso, em teoria, desde que o “profeta” Hergé o declarou, em A Estrela Misteriosa, pelos distantes anos quarenta do passado século, quando foi prevista a catastrófica e fatal aproximação de um meteorito.

Agora é a credenciada NASA que confirma a suposição, a sério. Reproduzo o aviso oficial há escassos dias divulgado.

Houston, não temos um problema, temos uma oportunidade”. A Agência Espacial dos Estados Unidos prepara-se para desviar um asteróide que se aproxima da Terra. Não que venha em rota de colisão, vai apenas passar relativamente “perto”, a cerca de 11 milhões de quilómetros de distância, mas a NASA encara-o como o momento perfeito para testar a sua tecnologia de desvio de satélites, caso algum dia venha a ser realmente necessário utilizá-la. 

É um passo crítico para demonstrar que podemos proteger o nosso planeta de um impacto futuro de asteróides”, disse à BBC Andy Cheng, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, Maryland (EUA), que também participa do projecto .

O alvo será um asteróide chamado Didymos (“gémeo” em grego), que conta com um sistema binário: o Didymos A, com aproximadamente 780 metros de comprimento, e o Didymos B, um corpo menor que o envolve, com 160 metros. O Didymos deverá passar aos tais 11 milhões de quilómetros de distância, em Outubro de 2022 e mais tarde em 2024.

A missão da NASA chama-se DART, a sigla em inglês de Redireccionamento do Asteróide Duplo, e a ideia é bater no asteróide a uma velocidade de 6 km por segundo (“nove vezes mais rápido que uma bala”, diz a Agência) para o levar a mudar a sua órbita, como podemos ver no filme a seguir.

Esta animação mostra como o Teste de Redireccionamento do Asteróide Duplo da NASA (DART) escolhe o alvo e atinge o elemento menor (à esquerda) do asteróide binário Didymos, demonstrando como um impacto cinético poderá redireccionar um asteróide, como parte do programa de defesa planetária da agência.

Tenho a convicção de que, para não nos assustar, a NASA declara que o tal asteróide vai passar a 11 milhões de quilómetros da Terra. Faz-me lembrar, ao contrário, aqueles relatadores desportivos que gritam ter roçado o poste da baliza uma bola que passou a uns cinco ou seis metros…

Por aqui me fico por hoje.

Para tranquilidade dos leitores, guardo para mim o pressentimento que me assalta sobre o próximo cataclismo cósmico. Não quero ser acusado de desestabilização da opinião pública.

Já nos basta, e sobra, o caso de Tancos…

António Gonçalves de Bandarra

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s