Evocação dos Teatros de Portalegre – Centro Nacional de Cultura

Evocação dos Teatros de Portalegre
País: Portugal
Distrito: Portalegre
Concelho: Portalegre
Tipo de Património
Teatros

Descrição

A evocação de Portalegre como expressão, inspiração ou localização de uma tradição teatral alargada, envolve necessariamente, e desde logo, a referência a José Régio e a Amélia Rey Colaço –  por razões obviamente diversas mas em certos casos convergentes.

José Régio, como se sabe, foi durante décadas professor do Liceu de Portalegre. Não espanta por isso que grande parte da sua obra tenha sido concebida na cidade. Aí se integra a dramaturgia, com o circunstancialismo de três peças referenciais.

Em primeiro lugar, a criação textual e de espectáculo da sua primeira peça conhecida, “Sonho de uma Véspera de Exame”, escrita e representada em 1935 por alunos finalistas do Liceu no Teatro Portalegrense. E é de assinalar que entre esses finalistas-actores estava o futuro grande actor Artur Semedo: aí se terá iniciado uma notável carreira.

E por outro lado, no Teatro Portalegrense, Amélia Rey Colaço efectuou a sua última aparição em cena, em 1985, no espectáculo único de “El-Rei Sebastião”, de José Régio,   evocação-homenagem ao dramaturgo, falecido em 1969.

E finalmente: Benilde, protagonista da peça de Régio “Benilde ou a Virgem-Mãe”, publicada em 1947, ouve as suas vozes numa casa “em qualquer solidão do Alto Alentejo”, onde se situa “uma casa sinistra”…

Assinale-se então que em 1858 inaugura-se em Portalegre o Teatro Portalegrense, projecto do Arquiteto José de Sousa Larcher: um exemplar notável da geração de teatros que foram sendo construídos no interior do país. Tinha entretanto precedentes: José Martins dos Santos Conde refere pelo menos duas salas, ambas com nome de grandes actrizes da época: Emília das Neves, denominada a “linda Emília” por Brito Camacho, e Beatriz Rente, esta “de olhos grandes e lânguidos” escreveu então Sousa Bastos.

Mas em 29 de Setembro de 1953, Amélia e a Companhia Rey-Colaço – Robles Monteiro inaugura em Portalegre o Cine-Teatro Crisfal, projecto do Arquitecto Domingos Alves Dias e do Engenheiro Raul Dias Subtil. E o então já decadente Teatro Portalegrense acentua essa decadência: nos anos 80, um grupo desportivo nivelou o palco e a plateia, e “transformou” o teatro num insólito ringue de patinagem rodeado de frisas e camarotes!

Ora bem:  em 2007 abre ao público o Centro de Artes e Espectáculos de Portalegre, segundo projecto dos Arquitectos Manuel Gonçalves e Patrícia Rocha Leite. Trata-se de um edifício de espectáculo, notável pela modernidade e pela dimensão, pois comporta um conjunto de dois auditórios de 500 e de 170 lugares, o que permite uma rentabilização que a proximidade com Espanha de certo modo internacionaliza. É de assinalar aliás um certo contraste ou heterogeneidade arquitectónica nas zonas de espectáculo. E desde logo porque o Centro Cultural comporta como vimos duas áreas distintas. Tal como já escrevi, o auditório maior retoma, de certo modo, e dentro de certos limites, a tradição da sala à italiana, aqui dominada por uma decoração moderna que ainda assim evoca certa linha de continuidade. E no exterior, um conjunto arquitectónico de corpos sobrepostos que confere uma nota de modernidade no conjunto urbanístico em que o Centro de Artes e Espectáculos se edificou.

Evoco, como já tenho feito, duas referências, das inúmeras que na sua obra, José Régio faz a Portalegre, cidade onde viveu dezenas de anos.

Desde logo, o longo poema intitulado precisamente “Toada de Portalegre”, publicado em “Fado”:

“Em Portalegre, cidade/ do Alto Alentejo, cercada/ De serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros,/ Morei numa casa velha,/ Velha, grande, tosca e bela,/a qual quis como se fora/ Feita para eu morar nela”. E seguem mais 228 versos – “verso musical, de rumores solitários, de angústias a meia voz”, como nos diz Urbano Tavares Rodrigues.

E no dia 5 de Março de 1965, José Régio escreveu: “De regresso enfim a Portalegre; e que alívio! Retorno a minha solidão tão cheia, depois daquela brilhante balbúrdia tão vazia, excepto quendo, apesar de tudo, a minha solidão nela se insinuava”.

E acrescento que hoje, José Régio não teria já qualquer pretexto para falar da “solidão” de Portalegre, a não ser da sua própria solidão!

Duarte Ivo Cruz

Fonte de informação
Duarte Ivo Cruz
Bibliografia
Obras citadas: Sousa Bastos – “Dicionário do Teatro Português”-1903;  Urbano tavares Rodrigues – “O Alentejo” in” Antologia da Terra Portuguesa ”; José Régio – “Páginas do Diário íntimo” 2ª ed. 2002; José Martins dos Santos Conde – “Teatro em Portalegre”- 1989; Duarte Ivo Cruz – “Teatros de Portugal 2005 e “Teatros em Portugal – Espaços e Arquitectura” 2008; José Régio “Páginas do Diário Íntimo” 2ª ed. – 2002.
Data de actualização
28/07/2017

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s