Peniche – a Fortaleza projectada

João Barros Matos faz projecto para Museu Nacional da Resistência e Liberdade

Arquitecto vai coordenar a equipa responsável por elaborar o projecto previsto para a Fortaleza de Peniche.

O arquitecto João Barros Matos vai coordenar a equipa responsável por elaborar o projecto de arquitectura para o Museu Nacional da Resistência e Liberdade, previsto para a Fortaleza de Peniche, esta terça-feira divulgado.

João Barros Matos foi o vencedor do concurso público de concepção do projecto, e vai receber um prémio de cinco mil euros, divulgaram estar terça-feira a Direcção-Geral do Património Cultural e a Ordem dos Arquitectos.

Das 22 propostas apresentadas, o júri considerou que a vencedora se destacou pela proposta de “sobreposição de percursos de diferente natureza nunca perdendo, cada um deles, autonomia, significado ou fluidez no seu conjunto”, refere o respectivo relatório, a que a agência Lusa teve acesso.

LUSA/CM

A Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) entregou esta terça-feira ao arquitecto João Barros Matos e ao atelier que coordena – o AR4, Arquitectura Lda – o projecto para o Museu Nacional da Resistência e da Liberdade (novo nome para o antigo Forte de Peniche).

O valor do projecto de arquitectura cifra-se em 256 mil euros, mas o valor total do investimento na recuperação do espaço, respectiva muralha e da instalação do museu chegará aos 3,5 milhões de euros, sendo que deste valor três milhões serão financiados por fundos comunitários e só 500 mil euros provêm do Orçamento do Estado para 2018.

O projecto vencedor do Concurso Público foi escolhido entre 22 candidatos e vai receber um prémio de cinco mil euros. O júri, composto pelos arquitectos Alexandre Alves Costa, João António Serra Andrade, João Mendes Ribeiro e Sofia Aleixo e pelo designer Henrique Cayatte, considerou que o projecto de João Barros Matos é “muito contido e algo sombrio, de acordo com a natureza dramática do seu conteúdo central”.

Continuar a ler

Barros Matos é especialista em Recuperação do Património Arquitectónico e Paisagístico e, entre as suas obras mais notáveis, conta-se a Estalagem da Casa Branca no Funchal (que assinou em co-autoria com João Favila), que recebeu o prémio de arquitectura da cidade do Funchal e que esteve nomeada para o Prémio Mies Van der Rohe Price, em Barcelona, e para o Prémio Secil, em Lisboa.

A transformação do Forte de Peniche em museu aconteceu depois da polémica que envolveu o projecto ‘Revive’. Inicialmente, o Governo tencionava concessionar o espaço a privados, para que aí se fizesse um hotel. Perante os protestos retrocedeu e anunciou a construção de um museu.

                                                            SAIBA MAIS

1938
Foi o ano da elevação do Forte de Peniche a Monumento Nacional. Localizada no distrito de Leiria, a fortificação implanta-se na encosta sul da Península de Peniche, sobre as arribas. Entre 1934 e 1974, durante o Estado Novo, funcionou como prisão política para os opositores de Oliveira Salazar.

Fuga histórica de Cunhal

No dia 3 de Janeiro de 1960, deu-se a evasão colectiva de presos políticos mais importante de sempre no nosso país. Quadros do Partido Comunista Português, entre os quais o líder Álvaro Cunhal, conseguiram fugir de Peniche. O automóvel da fuga era conduzido pelo actor Rogério Paulo, já falecido.

CORREIO DA MANHÃ

Dia Nacional do Pescador – Peniche

Peniche assinala nos dias 31 de Maio e 3 de Junho o Dia Nacional do Pescador. O último dia do mês de Maio foi designado por decreto de 1997 para celebrar e evocar a dura faina protagonizada por aqueles que, dia após dia, noite após noite, fazem do mar, da pesca e actividades afins o seu quotidiano.

Tendo como principal protagonista a actividade de Pescador, o dia da sua celebração tem vindo a ser assinalado em dois momentos, visando conciliar a celebração oficial da data com a disponibilidade dos celebrados.

Embora no ano corrente o dia 31 coincida com Feriado Nacional, as actividades acabam por decorrer nesse dia e durante o fim-de-semana que se lhe segue, como tem sido usual nos últimos anos.

Assim, no dia 31 de Maio, pelas 16:00 h, a bordo da Traineira “Afrodite” – no Porto de Pesca de Peniche – será apresentado o projecto “Territórios com História”.

A “Gastronomia de Bordo” será aí tema de conversa e motivo para a realização de um “Showcooking” e degustação de receitas de bordo, sob a direcção da Chef Patrícia Borges.

O Projecto “Territórios com História” une três Municípios – Ílhavo, Murtosa e Peniche – que estão ligados pela temática do Mar e pelo que este representa nas histórias locais, associadas à pesca longínqua, costeira e lagunar.

O projecto “Territórios com História: o Mar, as Pescas e as Comunidades” é financiado ao abrigo do programa Centro 2020.

No dia 3 de Junho – domingo – pelas 9:00 horas, serão lançados foguetes e, pelas 13:00 horas, a Cantina da Câmara Municipal será o ponto de encontro para um almoço / convívio de Homenagem ao Pescador de Peniche. Implantado à entrada da “Ribeira Velha”, o Monumento ao Pescador é onde, pelas 15:00 horas, será feita a deposição de uma coroa de flores.

Durante a tarde, a fundição e a metalo-mecânica serão actividades objecto da homenagem, centralizadas nas pessoas dos senhores João Pereira (Fundibronze), Tiago Gil (póstuma) – (Fundibronze), José Amaro (Fundibronze), José Maria (Penimar) e João Amaro (Fundibronze).

Seguir-se-á uma sessão de fados com os consagrados fadistas locais Cristina Luz e Emanuel Soares.

A celebração de uma Eucaristia em Homenagem aos Homens do Mar – na Igreja da Ajuda, pelas 19:00 h – encerrará em Peniche a celebração do Dia Nacional de Pescador – 2018.

DIA MUNDIAL SEM TABACO

O Dia Mundial Sem Tabaco é celebrado a 31 de Maio.

O dia visa alertar a população para os malefícios do tabaco e sensibilizar para a necessidade de proteger as pessoas para que não fumem por tabagismo passivo.

O consumo de tabaco é uma das principais causas de doença e de mortalidade prematura em todo o mundo. Segundo dados da OMS, morrem todos os anos cerca de 6 milhões de pessoas por doenças relacionadas com o tabaco. Um facto alarmante é que, destas vítimas, mais de 600.000 pessoas são fumadores passivos.

O tabaco é responsável pela morte de 1 em cada 10 adultos

As zonas ventiladas ou exclusivas para fumadores não protegem os não fumadores, mesmo que haja um bom sistema de ventilação e as portas que dividem as duas zonas estejam fechadas. Apenas as zonas 100% livres de tabaco conferem protecção.

Cerca de 40% das crianças estão expostas a fumo passivo em casa. 31% das mortes atribuídas ao fumo passivo ocorrem em crianças.

As crianças expostas ao fumo passivo em casa têm duas vezes mais probabilidades de ser fumadores do que as que não são expostas.

A BD vista por Carlos Gonçalves – quarenta e dois

JAYME CORTEZ, O EMIGRANTE ESQUECIDO – III

OS LIVROS DE JAYME CORTEZ

Os livros de Jayme Cortez são o que se pode chamar um manancial de informações, pois neles o seu autor enquadra a maior parte dos desenhadores brasileiros vivos na época, destacando de capítulo em capítulo o que de melhor produziram na sua vida artística. No primeiro capítulo de Os Mestres da Ilustração, surgem vários esboços e artes-finais de ilustrações, não só a cor como a preto e branco, do próprio Jayme Cortez, incluindo algumas capas executadas por si para várias colecções e cartazes de Cinema, em que o desenhador demonstra bem a sua faceta de ilustrador nato. Algumas vezes a execução de qualquer obra é acompanhada de alguns modelos vivos, uma particularidade de alguns desenhadores portugueses, que trabalhavam desse modo para criarem as suas obras: Eduardo Teixeira Coelho, José Ruy, José Garcês, José Batista e outros, incluindo o próprio Jayme Cortez. Nos capítulos seguintes desta obra, o desenhador debruça-se sobre o trabalho de outros artistas, considerando-os artistas convidados e apresentando alguns dos seus trabalhos. Vamos unicamente indicar alguns: Fernando Dias da Silva, Aylton Thomaz, Messias de Mello, muito bom, Calixto, Ivan Wasth Rodrigues, igualmente bom, Benício, excelente, Inácio Justo, Maurício de Sousa, a caminho do sucesso, Sílvio Ramirez, Manuel Victor Filho, Ziraldo, Nico Rosso, Flávio Colin, etc.

Outra das obras que merecem ser destacadas aqui é a edição de quatro volumes com o título de Curso Completo de Desenho Artístico. As primeiras páginas são suas com vários esboços e artes-finais do corpo humano, feminino e masculino. Segue-se alguns trabalhos de Eduardo Teixeira Coelho. Depois é a vez de Flavio Colin, Manoel Ferreira, Gutemberg, João Baptista Queiroz, Eugenio Colonnese e de muitos mais, mas sem deixar que em paralelo nas páginas fossem aparecendo ilustrações não só do autor como de ETC para salientar um ou outro aspecto bem conseguido dos seus trabalhos. De qualquer dos modos, trata-se de uma obra preciosíssima que aconselhamos vivamente a quem queira seguir a vida de ilustrador.

Capas dos livros A Técnica do Desenho, da editora Bentivegna (1965), Mestres da Ilustração, da editora Hemus (1970) e Manual Prático do Ilustrador, da R. Chiesi Livros (1972). O material dos 3 livros foi compilado numa colecção em 4 volumes chamada Curso Completo de Desenho Artístico. À direita, dedicatória de Jayme Cortez a Carlos Gonçalves.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

(Edgard Guimarães)

Na década de 1970, Jayme Cortez retomou a produção de Histórias em Quadrinhos. Em 1973 fez uma animação baseada na HQ Retrato do Mal, produzida na década de 1960 e publicada em Seleções de Terror. Fez uma nova versão da HQ para publicação na revista Crás! da editora Abril, lançada em Fevereiro de 1974. No segundo número da revista estreou Zodíako, mas não teve continuidade devido à mudança de linha editorial de Crás!. A série completa de Zodíako foi publicada em álbum pela editora Saber em 1975. Em 1976, Cortez fez algumas capas para a revista Um Passo Além, da Idéia Editorial. Retrato do Mal foi republicada duas vezes antes do final da década, em Spektro nº 2, da editora Vecchi, e O Grande Livro do Terror, da editora Argos.

Na década de 1980, mais produção de Histórias em Quadrinhos. Em 1983, a editora Noblet publicou dois volumes de Tupizinho, meio HQ, meio livro infantil, personagem que havia aparecido na década de 1960. A partir de 1982, Cortez fez uma série de HQs novas, entre 1 e 5 páginas, para as revistas de terror da editora D-Arte, Calafrio e Mestres do Terror. Foram 13 histórias totalizando 27 páginas. Por volta de 1984, publicou mais duas HQs novas, uma delas colorida, nos nºs 4 e 4A de Inter! Quadrinhos. Em 1988, a editora Martins Fontes lançou o livro Saga de Terror, reunindo as duas HQs de Inter!, 11 das 13 publicadas pela D-Arte, 2 páginas antigas da editora Outubro, o Retrato do Mal, e mais uma HQ de 2 páginas, A Noite do Invasor, feita para participar do II Salão Mackenzie de Humor e Quadrinhos, em 1979, e publicada em Spektro nº 16, em 1980. Em 1986, a editora Press lançou em forma de revista a série completa de Zodíako, e a edição A Arte de Jayme Cortez, onde homenageia o artista e republica sua HQ Dick Peter.

Capas de Um Passo Além nº 1 (1976) da Idéia Editorial, Ação Policial nº 1 (1985) da editora Abril, Calafrio nº 10 (1988) da editora D-Arte, e Saga de Terror da editora Martins Fontes (1988).
Primeira página de Dick Peter, publicado em revista própria pela editora La Selva em 1952.
Sétima página de Sérgio do Amazonas, publicado em Almanaque Aventuras da editora Bentivegna.

Carlos Gonçalves e Edgard Guimarães