José de Almeida Fernandes (1931-2019)

Lembro-me com emoção e saudade da figura do Professor Almeida Fernandes.

Em Novembro de 2002, quando eu coordenava o inesquecível Festival Ambiente, homenageámo-lo em Arronches, na abertura solene da 5.ª edição do evento.

Ele quis logo saber notícias da Hália, amiga comum e uma sua colaboradora que nunca esquecera.

José de Almeida Fernandes, um dos pioneiros do movimento ambientalista em Portugal, faleceu na manhã de hoje. Tinha 87 anos, era um conceituado biólogo e, sobretudo, um pioneiro da defesa do ambiente em Portugal.

Depois de uma notável carreira de investigador na Faculdade de Ciências de Lisboa (Museu Bocage), essencialmente como entomólogo, dedicou-se às políticas do ambiente e, após o 25 de Abril de 1974, exerceu vários cargos com presidente do Serviço Nacional de Parques e Reservas e do Instituto Nacional do Ambiente, que instalou em 1987.

A Serra da Arrábida: seu interesse botânico perante o turismo” foi o primeiro trabalho publicado, em 1954, no Boletim da Sociedade Portuguesa de Ciências Sociais e que já evidenciava o seu profundo interesse pela educação ambiental.

Foi sócio das duas primeiras associações de defesa do ambiente criadas em Portugal: sócio da Liga para a Protecção da Natureza (LPN) e do Núcleo Português de Estudo e Protecção da Vida Selvagem (NPEPVS).

Foi muitos anos presidente da Liga para a Protecção da Natureza, a primeira organização dedicada à conservação da natureza da Península Ibérica –, quer aos primeiros organismos públicos de defesa do ambiente, como a Comissão Nacional do Ambiente, criada em 1971.

José de Almeida Fernandes foi também um dos fundadores da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) e seu presidente de 1990 a 1994. “Era um brilhante profissional, sempre zeloso e comprometido com o seu trabalho e com as questões ambientais”, escreveu agora a associação numa nota de pesar. “A Associação Bandeira Azul da Europa agradece todo o trabalho desenvolvido e, sobretudo, o contributo para o crescimento da ABAE e para o consequente despertar para a educação ambiental.”

Se a educação ambiental tem o seu lugar na política de ambiente em Portugal deve-se ao Dr. José de Almeida Fernandes”, disse ao Observador Teresa Goulão, co-fundadora da ABAE. “Quanto a mim devo-lhe, meu Mestre, o que me ensinou e ainda não ter soçobrado no combate por esse sonho.” A especialista em Ambiente diz que, graças a Almeida Fernandes, “com entusiasmo e ingenuidade julgávamos que com a nossa tenacidade poderíamos mudar o mundo”.

A 22 de Abril de 2015, Dia da Terra, foi uma das seis personalidades homenageadas pelo governo numa cerimónia que celebrou a data com a assinatura do Compromisso para o Crescimento Verde. Os outros homenageados foram Gonçalo Ribeiro Telles, José Correia da Cunha, Mário Ruivo, Tomás Espírito Santo e Humberto Vasconcelos.

A história do Ambiente em Portugal entrelaçou-se com a vida de José de Almeida Fernandes, embora o professor jubilado passasse muitas vezes despercebido como figura pública. A poucos dias de fazer 80 anos, Almeida Fernandes recebera o Prémio Carreira Fernando Pereira 2009/2010, pelo trabalho ambiental de uma vida, que o levou a perder muitos dos sonhos em prol do cepticismo.

José de Almeida Fernandes era pai do publisher do Observador José Manuel Fernandes e da jornalista do Público Ana Fernandes.

O corpo estará em câmara ardente a partir das 17h00 desta segunda-feira nas capelas mortuárias da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa. O funeral realizar-se-á para o cemitério do Alto de São João amanhã, terça-feira, dia 30 de Abril, a seguir à missa de corpo presente, marcada para as 15h00.

Curvo-me perante a memória de José de Almeida Fernandes e apresento aos seus familiares a expressão da minha solidariedade.

António Martinó de Azevedo Coutinho