a cantiga é mesmo uma arma, pá! – Chico Buarque – Tanto mar

Tanto Mar é uma canção de Chico Buarque composta em duas versões sendo a primeira, de 1975, uma saudação à Revolução dos Cravos, em Portugal. A segunda, com letra modificada, foi gravada em 1978 juntamente com Cálice e Apesar de você.

Naquela época, a inicial, Chico e Bethânia realizavam uma temporada de shows no Canecão, no Rio de Janeiro. A letra da versão original foi vetada pela censura e gravada apenas em Portugal. No Brasil ficou pelo tema instrumental.

Mas na última apresentação ao vivo, Chico decidiu cantar com a letra. Esta, no Brasil, apenas seria liberada em 1978.

Na letra, há um “eu” lírico que envia uma carta a um amigo de Portugal, a quem trata por “pá” (corruptela de “rapaz”, tratamento que corresponde, no Brasil, a “cara” ou “mano”). Os dois países estavam então em situações opostas, o que pode ser verificado pelos versos: “Lá faz primavera, pá, / Cá estou doente“. Portugal estava comemorando a Revolução, enquanto o Brasil estava triste e pesaroso por causa da Ditadura Militar.

Aqui ficam as duas versões e a “explicação” de Chico Buarque.

Dia Nacional do Pescador 2019 – Peniche

Assinala-se hoje, 31 de Maio, o Dia Nacional do Pescador. Em Peniche as celebrações da efeméride terão hoje início e terminarão no domingo, 2 de Junho.

Nesta sexta-feira, 31, teremos a peça “Mulheres em Terra, Homens no Mar” *, uma produção do Teatro do Silêncio. Da autoria de Maria Gil, a peça tem como base a recolha de testemunhos das mulheres de pescadores do bacalhau, concretamente as do concelho de Ílhavo, numa performance que dá voz a estas e a todas as mulheres que   eram o suporte das suas famílias enquanto os homens se ausentavam durante meses na faina do mar. Será apresentada no Museu da Renda de Bilros, pelas 21h30.

A mesma peça será apresentada, na noite seguinte, na Igreja do Convento de S. Bernardino.

No sábado, 1 de Junho, haverá uma sessão cultural mais alargada sobre o tema “Este mar que nos inspira…”

Terá início no Largo do Visconde às 19h00 e incluirá:

  • uma visita interpretada ao Bairro do Visconde com degustação gastronómica*
  • a entrega dos certificados de participação e prémios do Concurso Contos d’aMar (uma iniciativa da ESTM-Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar do Politécnico de Leiria, da Câmara Municipal de Peniche e dos Serviços de Documentação do Politécnico de Leiria);
  • a projecção do filme “FishTour – Uma experiência única na rota da sardinha”, da autoria de João Costa, professor da ESTM;
  • e ainda uma breve tertúlia com alguns dos intervenientes, partindo do mote “Este mar que nos inspira…”

Esta iniciativa -que decorrerá em final de tarde, princípio de noite- será ainda pontuada por alguns momentos de poesia.

Para domingo, 2 de Junho, estão reservadas as comemorações oficiais, que têm início com a alvorada pelas 09h00 e prosseguem com um almoço-convívio às 13h00.
A Ribeira Velha acolhe a partir das 15h00 as Homenagens Públicas, que começam com a deposição de uma coroa de flores no Monumento ao Pescador. Esta sessão culminará com o habitual espectáculo de fado, este ano com as vozes de Emanuel Soares, Joaquim Júlio e Ivone Santos.

 As festividades terminarão com a celebração da Eucaristia das 19h00, na Igreja de São Pedro.

Cenas da vida lusitana há 50 anos – sessenta e oito

Conclui-se hoje, nesta derradeira “entrega” de Maio, o dossier sobre as fofoquices cinéfilo-sentimentais de há cinquenta anos que o Almanaque de 1969 da Plateia publicou.

Agora, são recordados casos sentimentais que afligiram na época vedetas como Carrol Baker, Dana Andrews, Julie Andrews, Cary Grant (espantoso divórcio!!!), Gleen Ford, Catherine Deneuve, Peter Sellers, Jane Russel, Catherine Spaak, Rod Taylor, Mickey Rooney (sétimo casamento e um mandato de captura!!!), Vittorio Gassman, Audrey Hepburn e outras…

E pronto. Assim se portou Cupido Calino em 1968… Transcrevi a brilhante conclusão do capítulo. E mais não digo.

E até Junho de 1969, esperando melhores cenas.