Nos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem

A Declaração Universal dos Direitos do Homem é uma carta de princípios onde se estabelecem e defendem os inalienáveis direitos do individuo.

Esta Declaração, proclamada pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas a 10 de Dezembro de 1948, é o resultado directo do conhecimento das atrocidades cometidas durante a 2.ª Guerra Mundial, especialmente pelos nazis.

Neste documento são enunciados os direitos considerados fundamentais para a vida do ser humano. São referidos os direitos individuais e colectivos, sem discriminação de raça, género ou nacionalidade.

A declaração não é subscrita por todos os países da Organização das Nações Unidas, que todos os anos apresenta uma lista de denúncias e violações cometidas tanto por países subscritores como não-subscritores.

70 anos depois da solene criação da Declaração Universal dos Direitos do Homem ainda há muito por fazer na defesa do seu inalienável conteúdo e das suas nobres intenções.

Parabéns aos Amigos Lúcia e Gilton Sampaio

Hoje mesmo, na comemoração dos 15 anos da Instituição, a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (FAPERN), no Brasil, fará solene entrega de Medalhas de Mérito Cientista Potiguar António Campos a alguns agraciados com tal honraria.

Entre estes conta-se um casal de professores e pesquisadores do polo (Campus) de Pau dos Ferros da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Gilton Sampaio e Lúcia Pessoa.

No reconhecimento do seu elevado mérito académico e das suas qualidades pessoais, daqui envio a estes prezados amigos um sincero abraço de parabéns.

António Martinó de Azevedo Coutinho