Profissão para todos – Um projecto em Portalegre (do Brasil…)

 

PROJECTO PROFISSÃO PARA TODOS

O Projecto Profissão para Todos é um projecto basicamente sem fins lucrativos, desenvolvido pela IEPB. Os Cursos funcionam em parceria com a Prefeitura Municipal de Portalegre e a Secretaria da Educação, com o intuito de qualificação profissional para aqueles que estão fora do mercado de trabalho.

O curso tem duração de três encontros, cada curso nos seus respectivos horários. Você poderá fazer quantos cursos quiser, sendo necessário apenas uma inscrição!

A Matrícula é gratuita, o curso é gratuito e  o material digital também é gratuito.

INÍCIO DAS AULAS:
08/07/2018 (Domingo)
 Atendente de clínicas 08:00h às 10:00h
 Atendente de farmácia 10:00:00h às 12:00h
 Assistente administrativo 13:00h às 15:00h
 Operador de caixa 15:00h às 17:00h

LOCAL: AUDITÓRIO DA PREFEITURA DE PORTALEGRE RN .

INSCRIÇÕES NA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE PORTALEGRE RN OU ONLINE ATRAVÉS DESSE LINK

https://docs.google.com/…/1FAIpQLSfoedbxGfYR1f5KY…/viewform…

Não há São João como o de Portalegre!

Não há São João como o de Portalegre RN, a Portalegre cidade irmã do Rio Grande do Norte, no Brasil, é preciso -e conveniente- acrescentar.

Em 8 de Dezembro de 1761, o Fundador, Juiz Miguel Carlos, ao sancionar São João Baptista como Padroeiro da Vila Nova de Portalegre, apenas manteve a antiga tradição local que vinha dos tempos da Missão do Apodi, tendo-lhe acrescentado Nossa Senhora da Conceição, em homenagem ao próprio dia.

Ainda hoje as datas alusivas aos Padroeiros são das mais festejadas na cidade.

A BD vista por Carlos Gonçalves – quarenta e dois

JAYME CORTEZ, O EMIGRANTE ESQUECIDO – III

OS LIVROS DE JAYME CORTEZ

Os livros de Jayme Cortez são o que se pode chamar um manancial de informações, pois neles o seu autor enquadra a maior parte dos desenhadores brasileiros vivos na época, destacando de capítulo em capítulo o que de melhor produziram na sua vida artística. No primeiro capítulo de Os Mestres da Ilustração, surgem vários esboços e artes-finais de ilustrações, não só a cor como a preto e branco, do próprio Jayme Cortez, incluindo algumas capas executadas por si para várias colecções e cartazes de Cinema, em que o desenhador demonstra bem a sua faceta de ilustrador nato. Algumas vezes a execução de qualquer obra é acompanhada de alguns modelos vivos, uma particularidade de alguns desenhadores portugueses, que trabalhavam desse modo para criarem as suas obras: Eduardo Teixeira Coelho, José Ruy, José Garcês, José Batista e outros, incluindo o próprio Jayme Cortez. Nos capítulos seguintes desta obra, o desenhador debruça-se sobre o trabalho de outros artistas, considerando-os artistas convidados e apresentando alguns dos seus trabalhos. Vamos unicamente indicar alguns: Fernando Dias da Silva, Aylton Thomaz, Messias de Mello, muito bom, Calixto, Ivan Wasth Rodrigues, igualmente bom, Benício, excelente, Inácio Justo, Maurício de Sousa, a caminho do sucesso, Sílvio Ramirez, Manuel Victor Filho, Ziraldo, Nico Rosso, Flávio Colin, etc.

Outra das obras que merecem ser destacadas aqui é a edição de quatro volumes com o título de Curso Completo de Desenho Artístico. As primeiras páginas são suas com vários esboços e artes-finais do corpo humano, feminino e masculino. Segue-se alguns trabalhos de Eduardo Teixeira Coelho. Depois é a vez de Flavio Colin, Manoel Ferreira, Gutemberg, João Baptista Queiroz, Eugenio Colonnese e de muitos mais, mas sem deixar que em paralelo nas páginas fossem aparecendo ilustrações não só do autor como de ETC para salientar um ou outro aspecto bem conseguido dos seus trabalhos. De qualquer dos modos, trata-se de uma obra preciosíssima que aconselhamos vivamente a quem queira seguir a vida de ilustrador.

Capas dos livros A Técnica do Desenho, da editora Bentivegna (1965), Mestres da Ilustração, da editora Hemus (1970) e Manual Prático do Ilustrador, da R. Chiesi Livros (1972). O material dos 3 livros foi compilado numa colecção em 4 volumes chamada Curso Completo de Desenho Artístico. À direita, dedicatória de Jayme Cortez a Carlos Gonçalves.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

(Edgard Guimarães)

Na década de 1970, Jayme Cortez retomou a produção de Histórias em Quadrinhos. Em 1973 fez uma animação baseada na HQ Retrato do Mal, produzida na década de 1960 e publicada em Seleções de Terror. Fez uma nova versão da HQ para publicação na revista Crás! da editora Abril, lançada em Fevereiro de 1974. No segundo número da revista estreou Zodíako, mas não teve continuidade devido à mudança de linha editorial de Crás!. A série completa de Zodíako foi publicada em álbum pela editora Saber em 1975. Em 1976, Cortez fez algumas capas para a revista Um Passo Além, da Idéia Editorial. Retrato do Mal foi republicada duas vezes antes do final da década, em Spektro nº 2, da editora Vecchi, e O Grande Livro do Terror, da editora Argos.

Na década de 1980, mais produção de Histórias em Quadrinhos. Em 1983, a editora Noblet publicou dois volumes de Tupizinho, meio HQ, meio livro infantil, personagem que havia aparecido na década de 1960. A partir de 1982, Cortez fez uma série de HQs novas, entre 1 e 5 páginas, para as revistas de terror da editora D-Arte, Calafrio e Mestres do Terror. Foram 13 histórias totalizando 27 páginas. Por volta de 1984, publicou mais duas HQs novas, uma delas colorida, nos nºs 4 e 4A de Inter! Quadrinhos. Em 1988, a editora Martins Fontes lançou o livro Saga de Terror, reunindo as duas HQs de Inter!, 11 das 13 publicadas pela D-Arte, 2 páginas antigas da editora Outubro, o Retrato do Mal, e mais uma HQ de 2 páginas, A Noite do Invasor, feita para participar do II Salão Mackenzie de Humor e Quadrinhos, em 1979, e publicada em Spektro nº 16, em 1980. Em 1986, a editora Press lançou em forma de revista a série completa de Zodíako, e a edição A Arte de Jayme Cortez, onde homenageia o artista e republica sua HQ Dick Peter.

Capas de Um Passo Além nº 1 (1976) da Idéia Editorial, Ação Policial nº 1 (1985) da editora Abril, Calafrio nº 10 (1988) da editora D-Arte, e Saga de Terror da editora Martins Fontes (1988).
Primeira página de Dick Peter, publicado em revista própria pela editora La Selva em 1952.
Sétima página de Sérgio do Amazonas, publicado em Almanaque Aventuras da editora Bentivegna.

Carlos Gonçalves e Edgard Guimarães