Tintin segundo Marabout – I

Xavier Marabout nasceu em 1967. Desde criança mostrou um verdadeiro talento para desenhar e pintar.

Fez a sua primeira exposição de aquarelas em 1984 na galeria Goguet em Evreux.

Em 1990, após estudos científicos, tornou-se engenheiro comercial de um laboratório médico, sem deixar de pintar e organizar exposições particulares.

Em 2006, mudando de curso, ele matriculou-se na Maison des Artistes. A partir desse dia, só pintará.

Marabout usa universos artísticos distantes para fundi-los (movimento artístico chamado Strip Art).

Assim, tomando emprestada a BD da sua infância e pinturas dos grandes mestres que o fascinavam, ele gradualmente desenvolveu um estilo em que linha e paródia estão omnipresentes. Particularmente na sua série: Hergé – Hopper, Marabout usa o olhar voyeurista do pintor americano para imaginar uma vida sentimental e tumultuosa em Tintin.

Edward Hopper (1882-1967) foi um pintor, artista gráfico e ilustrador norte-americano conhecido pelas suas misteriosas pinturas de representações realistas da solidão na contemporaneidade. Em ambos os cenários, urbanos e rurais, as suas pinturas reflectem uma visão pessoal da vida moderna americana

Fundindo o universo de Tintin com o do pintor Hopper, Marabout consegue uma mistura realista e surpreendente

Com mais de 230 milhões de álbuns vendidos, Tintin é sem dúvida uma das BD’s mais populares do mundo, ou pelo menos na Europa. O jovem repórter teve aventuras incríveis que levaram muitos de nós a jornadas inesquecíveis, e jamais se pensaria que o veríamos em novos cenários. Mas não contávamos com este artista francês chamado Xavier Marabout…

Aqui ficam umas amostras comparadas, sobretudo para desvendar um pouco de episódios pouco conhecidos, e mesmo desconhecidos, de exploração, não desprovida de explícita admiração e homenagem, da imortal criação de Hergé, Tintin.