Tintin e o Portugal do Estado Novo

Hergé e o Portugal do Estado Novo 
Ciclo Hergé no mundo contemporâneo
Fundação Calouste Gulbenkian, 12 Novembro

“As Aventuras de Tintin, Os Charutos do Faraó“ (versão a preto-e-branco), prancha 11, 1932, Coleção Studios Hergé

Tintin foi introduzido em Portugal por uma revista católica para jovens, dirigida pelo Padre Abel Varzim, a qual, nesse período, conheceu tensões, mudanças editorais e adaptações. Neste debate discutimos a vida das publicações de Tintin em Portugal ao longo do Estado Novo.

Colóquio com António Cabral e António Araújo, moderado por António Costa Pinto.

Lá estarei!

Hergé e Tintin na Gulbenkian

É hoje inaugurada em Lisboa uma importante mostra sob a temática da banda desenhada.

Trata-se de uma exposição tornada itinerante e que já correu diversas etapas pelo mundo fora, como Xangai ou Québec, por exemplo, a partir da original organizada no Grand Palais, em Paris, entre Setembro de 2016 e Janeiro de 2017.

Desta mostra foi editado um catálogo de grande qualidade, quer formal quer de conteúdo, que ficou a assinalar o invulgar evento.

A Fundação Calouste Gulbenkian, mais uma vez, interessa-se pela causa dos quadradinhos, sobretudo depois daquelas que foram as mais significativas exposições nacionais do tema: Banda Desenhada Portuguesa, 1914 – 1945 (10 Abril 1997 – 15 Junho 1997) e Banda Desenhada Portuguesa — Anos 40 – Anos 80 (10 de Fevereiro a 16 de Abril de 2000), ambas comissariadas por João Paiva Boléo e Carlos Bandeiras Pinheiro, que deram origem a dois magníficos catálogos.

O presente pretexto é mais universalista, com base na figura e obra de Hergé.

Georges Remi (1907-1983), mundialmente conhecido como Hergé, foi um artista de múltiplos talentos. Agora, a Fundação Calouste Gulbenkian dedica-lhe uma exposição, a primeira em Portugal, que celebra o grande artista que foi e onde são apresentados tesouros do Museu Hergé, em Louvain-la-Neuve (na Bélgica), como pranchas originais, pinturas, fotografias e documentos de arquivo, e onde são ainda reveladas diversas facetas do autor do eterno Tintin.

Artista autodidacta e criador de génio que usava todos os meios à sua disposição para realizar as suas composições, da ilustração à banda desenhada, passando pela publicidade, imprensa ou desenho de moda e artes plásticas, Hergé inspirou-se em diversas correntes artísticas da sua época, da pop arte ao abstrato, passando pelo minimalismo, e tornou a sua arte única e distinta dos demais autores BD devido à sua extraordinária capacidade de representar a realidade de forma inventiva e, ao mesmo tempo, familiar para o leitor.

Esta exposição permite fazer uma viagem pela vida e obra de Hergé, desde as consequências que a Segunda Guerra Mundial teve no seu trabalho, passando pelas suas incursões na pintura e pelo reconhecimento do seu traço a lápis, que fez com que a banda desenhada deixasse de ser considerada uma arte menor. Ali, é possível conhecer não só uma selecção de documentos, desenhos originais e várias obras criadas pelo artista, como também descobrir uma faceta menos conhecida: a sua brilhante carreira como designer gráfico publicitário revelada pelos seus cartazes altamente criativos e, claro, ficar a saber mais sobre a evolução do processo criativo que levou o jovem Georges Remi a tornar-se Hergé, pai da banda desenhada europeia.

A exposição apresenta os seguintes NÚCLEOS:

  • Grandeza da arte menor
  • Hergé, o amante de arte
  • O romancista da imagem
  • O êxito e a tormenta
  • Uma família de papel
  • Hergé e a revista Coeurs Vaillants
  • A arte do reclame
  • A lição do Oriente
  • O nascimento de um mito

A vasta programação paralela à exposição inclui diversas manifestações.

Conferência

O Futuro de Tintin

Sexta, 01 de Outubro, 19:00

Ciclo Hergé no mundo contemporâneo

Moderação de António Costa Pinto

Hergé e o Portugal do Estado Novo

António Cabral e António Araújo

Sexta, 12 de Novembro, 18:00 / Auditório 3

Hergé global

Carlos Gaspar e Miguel Bandeira Jerónimo

Segunda, 22 de Novembro, 18:00 / Auditório 3

Hergé e o mundo contemporâneo

João Pedro George e Maria Inácia Rezola

Terça, 23 de Novembro, 18:00 / Auditório 3

Ciclo Ler Hergé hoje

Moderação de João Paulo Cotrim

A linha é assim tão clara?

Fernanda Fragateiro e Francisco Vidal

Segunda, 29 de Novembro, 18:00 / Auditório 3

Espécie de catacrese!

Patrícia Portela e José Pedro Serra

Segunda, 10 de Janeiro, 18:00 / Auditório 3

Apresentação do livro “Tintin no país dos Sovietes”

pelas Edições Asa

Segunda, 06 de Dezembro, 18:00 / Auditório 3

Performance “Castafiore”

Performance de Catarina Molder

Sábado, 11 de Dezembro, 18:00 / Auditório 2

Sábado, 08 de Janeiro, 18:00 / Auditório 2