um país de cabeça para baixo

Nunca fui particularmente dotado para o exercício físico. A preparação recebida nas escolas foi mais do que indigente… Na tropa vi-me aflito para cumprir os parâmetros obrigatórios. Mas, com mil diabos, fui sempre capaz de dar uma cambalhota!!! Tínhamos tempo, e segurança, para brincar na rua. E em grupo.
Os gaiatos e rapazes de hoje são mais destros a mexer no telemóvel ou no tablet do que na movimentação -mínima- do seu próprio corpo…
Por isso, aqui ficam as páginas de um manual de 1949, com quase setenta anos, por onde podem aprender como se dá uma cambalhota.
Não têm nada a agradecer; é de muito boa vontade.