Milou e os outros

05-milou

Aqui há dias, na vidraça de um estabelecimento comercial da “ilha”, dei com um curioso anúncio, publicitando a venda de cachorros fox terrier recentemente nascidos, LOP, com vacinas e isentos de parasitas. Confesso que nem sequer sabia que LOP significa que o Clube Português de Canicultura emite a respeito de
um animal o documento onde atesta que este pertence a uma determinada raça reconhecida como tal. Portanto, com identidade devidamente registada e comprovada, os cachorros publicitados pertencerão de facto à família  fox terrier.milou7

O mais curioso do anúncio, em si mesmo vulgar, é o seu enquadramento ilustrativo, onde se faz apelo ao mais famoso fox terrier da História da Humanidade canina, o célebre Milou.

Não pretendo, nem lá perto, fazer-me eco publicitário do negócio, mas não posso deixar sem um comentário o inegável bom gosto e o sentido de oportunidade do responsável pela organização gráfica do folheto e pelo seu conteúdo como mensagem.

Nascido no mesmo dia que Tintin, 10 de Janeiro de 1929, Milou vai a caminho dos 88 anos. Duvido que estes seus “primos” durem tanto tempo pois apenas com muita sorte atingirão um quarto dessa idade. Mas faço votos de que sejam igualmente fortes, fiéis, inteligentes, teimosos, persistentes, activos, afectuosos e amigos dos seus futuros donos.

Milou tem uma inteligência a toda a prova e, apesar de uma ou outra intervenção menos feliz e até de uma ou outra hesitação comprometedora, está incondicionalmente ao lado de Tintin, protegendo-o. Hergé, o criador, disse a este propósito: Para mim, Tintin é o herói, Dom Quixote. Precisava de um Sancho Pança, e esse era o Milou.

milou8De um pormenor estou seguro: cada um destes “primos” será incapaz de dialogar com o seu dono, tal como ele faz, em permanência. Em todas as suas aventuras, evocadas no cartaz agora em apreço, Milou esteve sempre ao lado de Tintin e foi, mais do que companheiro, um confidente.

Acho portanto que falta aqui um aviso, o de que fox terrier chamado Milou há só um e mais nenhum. O resto, com todo o respeito, é imitação.