Se quisermos ser livres

Se quisermos ser livres -se tencionarmos manter invioláveis esses inestimáveis direitos pelos quais temos lutado há tanto tempo- se não tencionarmos, de modopatrick_henry_rothermel algum, suspender a nobre luta em que nos envolvemos e que nos comprometemos a nunca abandonar até que o glorioso objectivo do nosso combate seja obtido, então devemos lutar! Repito, senhores, devemos lutar!
É inútil, senhores, amenizar a questão. Podeis gritar Paz, Paz! – mas não há paz. A guerra, de facto, começou. Os nossos irmãos já estão no terreno; por que estamos nós aqui ociosos?
A vida é tão cara, ou a paz tão atraente, para que possam ser compradas a troco das grilhetas e da escravidão?
Não sei qual é o caminho que os outros seguirão, mas, quanto a mim, que me seja concedida a liberdade ou a morte!

patrick_henryPatrick Henry (1736 – 1799) foi um jurista norte-americano que se tornou figura proeminente na Revolução Americana, tendo sido um dos mais influentes e radicais defensores do republicanismo e dos direitos humanos na sua época. Ficou conhecido e continua a ser evocado sobretudo pelo seu discurso “Give me liberty or give me death“, dramaticamente pronunciado numa assembleia reunida em Richmond, na Virgínia, no dia 23 de Março de 1775, cumprindo-se hoje mais uma precisa efeméride sobre essa histórica data. Com efeito, menos de um mês depois, concretizar-se-iam as primeiras hostilidades entre os colonos americanos e as forças do poderoso exército inglês enviado para os reprimir.

fundo-projecto-a

Por que escolhi esta efeméride e este pretexto para regressar?
Sobretudo pelo simbolismo que encerram.
Passei longos dias a reflectir sobre a decisão a tomar, tendo encarado mesmo a hipótese de suspender definitivamente o “blog” Largo dos Correios. Provei a mim próprio, com alguma surpresa, que afinal sobrevivo sem ele. Mas decidi continuar, tal como decidi permanecer em Peniche. O que aqui conquistei acrescentou qualidade ao que deixei em Portalegre. A íntima e permanente intervenção da família e a activa presença dos novos amigos compensam o tempo e a distância das gratas lembranças da terra natal.
O Largo dos Correios poderá servir como instrumento redutor do tempo e da distância, para além de significar o veículo apto à partilha de memórias passadas, vivências de hoje e projectos de futuro.
Não assumo ainda como definitivo o seu próximo formato. Nem sequer posso ou devo garantir que o vou frequentar, obrigatoriamente, no quotidiano. Para já, pretendo concluir rubricas que interrompi, como as que respeitam a episódios familiares, o Centenário da I Guerra Mundial, visto através das mensagens dali enviadas pelo meu avô José Cândido, assim como os 75 anos passados sobre a histórica reabilitação cívica de João de Azevedo Coutinho, episódio de que a Marinha, estranhamente, se mantém ausente. Do mesmo modo, se isso  for tecnicamente viável, desejaria  continuar a divulgação dos textos publicados pela neta Filipa no seu “blog” Ideias Imaginadas. Inserido neste mesmo espírito, tenciono a partir de Junho/Julho próximos dedicar a devida atenção aos 125 anos do casamento de João de Azevedo Coutinho, em Portalegre, com Maria Inês Barahona.
Portalegre e Peniche, as minhas duas cidades ainda que a distintos níveis, manter-se-ão como permanente presença, agora sobretudo a propósito das próximas eleições autárquicas, despertando-me a recordação da experiência pessoal a tal nível cívico vivida em 1985, que tenciono evocar.
Por outro lado, algumas constantes serão retomadas, se possível com maior intensidade, como a luta contra o detestável Acordo Ortográfico e a defesa dos Direitos Humanos, no seio da Amnistia Internacional, de que sou activista. O discurso de Patrick Henry, atrás parcialmente transcrito, não poderia vir mais a propósito…
Tenciono dedicar, com certa regularidade,  alguma atenção às vivências pessoais  “desportivas”, próximas da minha  dilecta “família da corrida” e do magnífico grupo Peniche a Correr.

A Banda Desenhada, com incontornável destaque para Tintin, assim como a problemática da Comunicação pela Imagem serão outros temas com lugar cativo, sempre que aconteça a oportunidade de um pretexto alusivo.
Neste longo interregno mantive-me atento ao que foi publicado e guardei o material que me pareceu mais interessante e intemporal.  Aqui o divulgarei, com a devida nota de ter sido “arquivado” para tal fim.

Memórias familiares e/ou citadinas com interesse colectivo, vetustos arquivos que mereçam “recuperação”, a ecologia ambiental relativa aos contextos que nos cercam, a inesperada oportunidade dos quotidianos, a inovação, recensões de imprensa dignas de difusão e partilha, notícia de escolhidos eventos locais, efemérides e comemorações, e colaboração -sempre bem-vinda- de amigos certos, eu sei lá!, de tudo um pouco se vai compor o Largo dos Correios. Até ver.

No seu renovado cabeçalho quero significar o espírito que me domina.
Pretendo, intransigentemente, que este “blog” seja -que continue a ser!- um espaço e um tempo de liberdade, adiando a alternativa.
É que, em absoluta radicalidade, prefiro o visionário Patrick Henry ao abominável Donald Trump.

 António Martinó de Azevedo Coutinho

largo dos correios

09-saudade-a

Tenho a sorte, cada vez mais rara, de uma família inexcedível em carinho e de amigos pródigos em manifestação da mais autêntica e reconfortante solidariedade. Se à família me dispenso de agradecer, já aos amigos devo aqui confirmar o profundo sentimento de gratidão a todos devido. É-me impossível dirigir a cada um, em particular, o testemunho pessoal de quanto tem sido para mim significativo senti-lo ao meu lado. Por isso, aqui fica o registo do íntimo reconhecimento aos que, presentes, me falaram de viva voz, me telefonaram e enviaram mensagens pelo telemóvel ou pelas diversas modalidades informáticas a isso vocacionadas.
Conheço, infelizmente, a receita pessoal que permite resistir (ou sobreviver!?) à inenarrável adversidade de perder alguém que se ama. Aplico-a em permanência desde há muito e isso explica o que a alguns pode surpreender. Quando exijo de mim, em projectos ou em sonhos, uma aplicação quase sem limites e a ocupação motivada do tempo útil e da energia disponível, praticamente na totalidade, deixo muito pouco espaço ou energia sobrantes para a memória que desgasta e para a lembrança que dói até ao indizível. Sinto, porém, que a receita experimentada não está agora a funcionar. Iludi-me, ou fingi-o, durante alguns dias, numa falsa e fácil aparência…
O blog Largo dos Correios nasceu nos domínios dessa estratégia pessoal. A sua mais recente continuidade cumpriu os prévios desígnios traçados, até quando por amor deixámos o querido torrão natal e emigrámos para estas terras, belas, dominadas pelo mar, como uma espécie de prolongamento pessoal, sobretudo, da minha circunstância e das suas incidências. Mas, antes de comunicar através dele com os outros, preciso agora de comunicar comigo próprio, de tentar arrumar em mim mesmo a tremenda confusão de sentimentos que me domina, de ensaiar o preenchimento dos vazios que me assustam, de aceitar, afinal, o irremediável, brutalmente definitivo. Ninguém, nisto, me pode valer.
Devo por isso interromper o passeio quotidiano pelo Largo dos Correios. Tenho de parar, ainda que tal pareça contraditório. Um dia voltarei aqui ao vosso convívio – eis a promessa que quero cumprir, o mais cedo possível.
Obrigado a todos, os que quiserem ou puderem esperar.

António Martinó de Azevedo Coutinho

World Sketching Tour!? Logo à noite, na Antena 1…

09-11224517_1609140179337876_1305172513619128782_n

Hoje à noite, após as 23 horas, na Antena 1, valerá a pena ouvir Luís Simões. O seu incrível percurso de vida, seguindo um impulso ditado pela vocação, levou-o a seguir o audacioso plano traçado. Escolheu-se deliberadamente a colocação, aqui no blog, de dois textos com quase cinco anos, para lembrar as promessa de Luís Simões. Como ele as cumpriu ou não – eis o relato para o qual aqui fica o desafio. Logo à noite, na Antena 1

09-luis-simoes-2World Sketching Tour de Luís Simões
começa amanhã
(Filipe Morato Gomes em 15 Mar 2012)

Luís Simões, designer e urban sketcher, vai viajar durante cinco anos à volta do mundo, numa jornada a que deu o nome de World Sketching Tour. Pelo caminho vai desenhar um diário da sua passagem pelos cinco continentes, e quando regressar partilhará as suas experiências com os alunos do IADE.
09-lsO designer já tinha desenvolvido duas experiências semelhantes, na Croácia e em Marrocos, e agora pretende dedicar o primeiro ano e meio à Europa, seguindo-se a Ásia e Oceânia, Américas e África.
Luis Simões abandonou o trabalho que tinha e dedicou-se a contactar outros urban sketchers, com quem irá com(viver) durante o trajeto, e conta com o apoio de marcas como a Moleskine, que ofereceu setenta cadernos, e a Montecampo, que forneceu duas mochilas e roupa de viagem.
A viagem começa em Portugal, com três encontros de apresentação do projecto WST. “Haverá uma partilha e conversa sobre o tema de desenho em viagem, e quem quiser participar é convidado depois da conversa a efectuar uma saída pelas ruas da cidade, para desenhar”.
No dia 17 de março, sábado, pelas 15h, o encontro será no Museu da Cidade de Aveiro, junto à delegação do Turismo Rota da Luz, e no dia 18 no Porto, pelas 15h, no Espaço Gesto, na Rua José Falcão.
A viagem conta com um site que permite a contribuição de particulares, para que a realização do projecto seja possível.

09-luis-simoes-4A volta ao mundo de Luís Simões desenha-se em cinco anos
(Luís J. Santos em 2 Mar 2012)

Luís Simões prepara-se para viajar durante cinco anos pelos cinco continentes, sempre a desenhar, passo a passo. Designer gráfico e desenhador do quotidiano, baptizou o projecto de World Sketching Tour. Uma odisseia do desenho.09-bc2f93f0fbd4953988d50c4fe70aefd7
Dar a volta ao mundo. Cruzar dezenas de países pelos cinco continentes. Andar nas calmas, sempre a desenhar. Um sonho. Mas… cinco anos? À frente dos álbuns e blocos de esboços em descanso, Luís Simões, armado de um sorriso paciente de quem já está muito habituado ao espanto inerente à pergunta, não vacila: “Tinha que ser. Cinco continentes… cinco anos…“. Ou, de forma mais prática: quando começou a delinear o projecto de andar a desenhar por todo o mundo, deu voltas e mais voltas no Google Maps, assinalando os lugares que queria visitar e o tempo que queria ficar em cada um. E “o resultado era sempre quatro anos e qualquer coisa. Decidi-me pelos cinco. Afinal, isto é a viagem de uma vida“.
Tempo assente, nasceu a World Sketching Tour deste designer gráfico de 32 anos apaixonado por registar, com canetas e aguarelas, momentos, cenários e vidas. Deixa para trás um emprego seguro – era motion designer na SIC – resolveu famílias, compromissos e relações e, a partir de 16 de Março até 2017, deverá visitar, pelo menos, uns 75 países.
Até agora, a ideia com que ficava quando viajava é que tudo era muito rápido. Nas férias apetecia-me sempre mais, ficar, conhecer o país, as pessoas. Isso é que é a viagem, teres esse contacto. É o que me cativa. E, como desenho, preciso desse tempo de contemplação, de absorção“. Para “comprar” tanto tempo, poupou: “Já ando a juntar dinheiro há uns três anos, não faço extravagâncias. Abdiquei de sair à noite, de gastar em saídas“.
Bem sei que há quem pense ‘o gajo é um menino rico’ ou ‘trabalha na SIC, tem 09-imageswdn4a5ibmuita facilidade de contactos’ mas as coisas não são bem assim“, atira. “Eu conheço pessoas e isso é bom mas se o projecto não tiver interesse ninguém pega. É mais um. Inicialmente, fiz tudo para mim. Mas comecei a pensar também em termos de projecção, de marca. Invisto pessoalmente mas é também um investimento de vida, porque é isto que quero fazer“. Além disso, também se vê a trabalhar ao longo da viagem, preferencialmente na área de desenho, mas não a vender os seus trabalhos na rua. Porém, “se for preciso, também vendo. E, se tiver que trabalhar a lavar chão, lavo. Não há mal nenhum. Desde que consiga continuar a minha viagem“. A sua resolução é convincente e ninguém duvida, especialmente quando acrescenta: “Agora, acordo feliz todos os dias. Ainda há pouco vinha a andar para aqui, a aproveitar o sol, e a pensar ‘já devia ter feito isto há mais tempo’“. 

09-luis-simoes-1

Grand Tour

A odisseia de Luís Simões, que irá contando online e em revistas, é fácil de resumir: fazer todos os continentes, tomar tempo em cada aldeia, cada vila, cada cidade, para desenhar e conhecer outros urban sketcher (os desenhadores de diários gráficos) como ele, uma comunidade a que pertence há alguns anos.
Mas a sua descoberta a sério das viagens começou há mais tempo, por volta dos 20 anos. E, antes de tornar-se um desporto em si, teve origem, precisamente, num desporto: no corfebol. Simões foi chamado várias vezes à selecção portuguesa desta modalidade. “Quando viajava, mesmo para jogos, punha o despertador para acordar às 6 da manhã e desenhar os sítios por onde passava“. Foi um mundo que foi descobrindo “aos bocadinhos”. “Não foi tipo ‘quero ser viajante mochileiro e desenhista‘”. Mote: “Quando desenho estou a viajar naquilo tudo. Quando viajo, é para ir atrás do desenho“.09-luis
Até porque um dos seus objectivos é aprender com outros artistas, documentar (também em vídeo) o seu trabalho, “aprender outras maneiras de ver“. A viagem, diz, é “radicalmente low cost” e vai sendo feita sem recurso a avião. “À boleia, em camiões, em velhos autocarros, a pé…“. Sistema similar para estadas e afins: vai ficando em casa de conhecidos e desconhecidos, usando o CouchSurfing (digamos, sofás grátis para convidados), aproveitando os convites de outros desenhadores do quotidiano. Já tem alguns contactos e apoios, mas o grande apoio inicial chega através de um consenso familiar.
Abra-se um parêntesis. De início, a família não reagiu da melhor maneira a este desaparecimento pelo mundo durante tanto tempo. Os pais ainda tentaram uns “vê lá, vais-te demitir, pensa bem“. Simões manteve-se irredutível. Até que, por fim, chegaram a um “E se nós fôssemos também?“. “No way!. Lá chegaram a um consenso: os pais, já reformados, embora nunca tivessem sido grandes viajantes (o pai odeia avião), pensaram e decidiram fazer a sua própria aventura: compraram uma autocaravana e vão viajar um ano pela Europa. Um plano paralelo, que permitirá que Simões vá à sua vida mas que, quando possível, poderá levar a coincidir num encontro ou outro. Já que surgiu a possibilidade, Simões aproveita e é com os pais que segue, à boleia, desde Portugal. “Vamos andando, à medida que as coisas forem aparecendo, vamos decidindo“.  Mas isto é no primeiro ano. E, nos outros quatro, nem lhe passa pela cabeça interromper o “passeio” para voltar a Portugal. Nem pelo Natal? “Não“. Mas não faltarão visitas de amigos e familiares.

Desenha-me o mundo

A viagem de Simões é também uma verdadeira recusa da velocidade, uma espécie de adaptação ao tempo da sua arte. Na verdade, é até uma rejeição da vida-ao-computador. Veja se reconhece esta imagem: anos e anos colado ao computador, dia e noite… É uma tour que, para ele, significa igualmente a libertação das amarras da máquina. Anulando-a (pelo menos a tempo inteiro), opta por dedicar-se ao “artesanato“, à lentidão humana do desenho. É assim que sairá calmamente de Portugal a 16 de Março, cruzando Espanha, subindo França pelo norte, indo até Inglaterra, toda a Europa à proa. Lá pelo Verão, espera estar pela Escandinávia, para aproveitar a luz. Depois, mais Europa, até chegar o grande momento do Transiberiano.09-luis_india
É que, para ele, a Europa é “estágio” e a aventura começará, de facto, é no próximo ano, quando o Transiberiano o levar a paragens menos similares, para “perder-se” pela Ásia e na Índia, para pôr à prova o seu fascínio por Auckland e a Oceânia, para seguir pelas Américas. O fim será no continente “mágico“: África acima até terras marroquinas. “Curiosamente, a última viagem que fiz foi a Marrocos“. Foi uma das “viagens de treino“, outras foram à Croácia e França, sempre sem usar hotel, ficando em casas particulares e usando a rede CouchSurfing. “Mantém-se um contacto incrível com as pessoas, faz-se amigos. É um lado humano que eu gosto. Isso é o mais aliciante“. E, como quer ir “devagarinho”, sem ser “absorvido pela viagem“, nem planeia nada para quando regressar. Talvez um livro, “algo longe do normalíssimo livro de viagens“, talvez exposições, talvez um trabalho documental sobre os urban sketchers deste mundo. “Vamos a ver até que ponto isto é interessante para as pessoas. Se no fim essa riqueza for interessante para mais gente, ok, vamos lá partilhar“.
Entretanto, tem-se dedicado a uma tour mediática, porque também tem a convicção de que é bom para o projecto “passar a palavra“. Para mais, já conseguiu alguns apoios relevantes: a venerada Moleskine vai oferecer-lhe pelo menos 70 blocos para desenhar tudo o que lhe apeteça, a portuguesa Montecampo ofereceu uma gigante mochila de viajante profissional, a recente Frozen deu vestuário. E que se leva na mochila para uma viagem desta envergadura? “Levam-se uns 75 kg“, ri-se. Basicamente, uns três pares de calças, casaco, cinco ou seis camisas e T-shirts, toalha, materiais de desenho, câmara, telemóvel, laptop, calçado. Acrescenta-se bússola, lanterna, canivete, kit de primeiros-socorros, cadeados, carregadores das máquinas…
Para a viagem, é capaz de levar também a mesma lógica que usa para o desenho: “Não há undo. Há borracha, claro, corrector. Mas não vale a pena. A melhor forma de ultrapassar o erro é seguir para a frente, não risques o erro. Erras, oops, salta“.
A meio caminho da conversa, o nosso fotógrafo entrega-lhe um globo para a sessão fotográfica. Com ele ao colo, os seus dedos percorrem, sem erro, os países, um a um, traçando a linha prevista da sua viagem. “Olha, tenho o mundo nas mãos“. E tem mesmo.

09-luis-simoes-3

O Largo dos Correios vai entrar em manutenção

atencao

Este blog entra  a partir de hoje num período de manutenção, em que a suaelectrician_plug_it_in_anim_500_clr_8021-1 actividade será reduzida.

Obrigações ou devoções familiares e sociais, assim como alguns relevantes projectos pessoais não permitirão ao editor a disponibilidade habitual, pelo que esta situação se vai reflectir na quantidade habitual dos posts diários.

Completar-se-á a série em curso, alusiva à dissertação de 1973/74 sobre a Iniciação à Linguagem do Cinema e da Banda Desenhada, reservando-se para um período posterior os comentários complementares previstos, assim como as reproduções coloridas de alguns originais agora publicados a preto e branco.

Também está garantida a próxima continuação prevista para este ano relativa à série oportunamente iniciada em 2016 sob o título 1917 – há cem anos – de França a Portalegre – escritos de guerra e amor.

Permanecerá a habitual atenção dedicada à divulgação de informações sobre eventos disso julgados merecedores, assim como à recensão de textos, considerados significativos, publicados na imprensa diária.

O período de manutenção terá uma duração incerta, que se prevê relativamente longa.

LARGO DOS CORREIOS