O castelo de Portalegre – cinco

Este conjunto começa precisamente pelo castelo de Portalegre. Para além das excelentes fotografias, o texto é algo erróneo, pois nenhuma torre pertenceu aos bombeiros. A confusão deve-se ao facto de estar instalada numa das torres a sereia de alarme da corporação, atroando os ares nos casos de acidente, normalmente incêndios.

A nota “torres encerradas” não correspondia com inteiro rigor à realidade da época e significou alguma ligeireza…

Que pena não ter a jornalista diligenciado a subida ao alto da torre de menagem, por essa altura disponível e sobretudo interessante, pela soberba vista urbana proporcionada.

Os castelos de Castelo de Vide e da Marvão são apresentados de forma regular, sem qualquer destaque especial.

Quanto ao de Alegrete, o mais curioso é constatar que, posteriormente à data da publicação, houve uma considerável obra de restauro. Ao contrário do pessimismo patente na descrição de 1996, a recuperação do castelo de Alegrete foi uma consoladora realidade.

Valha-nos isso!

Cenas da vida lusitana há cinquenta anos – trinta e nove

O mês de Outubro de há cinquenta anos, segundo o Almanaque da Plateia de 1968, merece a abrir a clássica relação de efemérides. Como de costume a lista é extensa e curiosa, pois dá conta de quem morreu ou nasceu, do que foi estreado ou inaugurado, de edições e/ou de reuniões alusivas ao universo do espectáculo. Por exemplo, Manuel (ou Manoel) de Oliveira, António Lopes Ribeiro ou Leitão de Barros, entre os portugueses, passaram por aqui…

Depois vem um curto mas interessante dossier sobre Peter Sellers, denominado “O rei dos disfarces”. Com efeito, o epíteto dá conta da incrível multiplicidade do desdobramento das personagens interpretadas pelo actor.

Em 1968, ainda ele tentava restabelecer-se de graves problemas cardíacos que o tinham há pouco afectado gravemente.  Aliás, acabou por falecer, em 1980, apenas aos 54 anos, devido ao seu frágil coração…

Peter Sellers, para além da fascinante interpretação do Dr. Stranglove (num filme qiue acabaria por passar entre nós, ficou sobretudo célebre pela série The Pink Panter, Pantera Cor-de-Rosa.

Viria a conquistar um Globo de Ouro, como melhor actor em Being There, 1979.
Peter Sellers merece um lugar de destaque na história da filmografia, pelo seu inegável talento.